sábado, 31 de dezembro de 2011

10 coisas a fazer antes de 2011 acabar

Não necessariamente nesta ordem, mas aqui vai, para quem quiser:
  1. Esvaziar a caixa de entrada de seu e-mail.
  2. Perdoar quem lhe ofendeu. Não vale a pena.
  3. Tirar de casa todas as tranqueiras desnecessárias. Você não precisa delas.
  4. Fazer planos para 2012 e escrevê-los no papel.
  5. Deixar de assistir a Globo.
  6. Se acertar com Deus.
  7. Se perdoar.
  8. Pedir perdão a quem tenha ofendido.
  9. Ligar para a mãe/pai ou pessoa à quem aprecia muito.
  10. Romper o Ano Novo na Casa de Deus.

sábado, 10 de dezembro de 2011

1º Dia do Jejum de Daniel


E os céus se abrem...
“Batizado Jesus, saiu logo da água, e eis que se Lhe abriram os céus, e viu o Espírito de Deus descendo como pomba, vindo sobre Ele.” Mateus 3.16
Não é para curioso ou aventureiro, nem para hipócrita, religioso ou carnal.
O Espírito de Deus é para os vazios, carentes e, sobretudo, sedentos da direção Divina. Para andarilhos em busca de algo superior a tudo o que este mundo tem oferecido.
Tudo bem. Jesus veio para uma missão especial. Mesmo assim, precisou pagar o preço. Sacrificou. Renunciou família, juventude, namoro e amizades para realizá-la. E se Ele precisou da direção do Espírito Santo para cumpri-La, imagine aqueles que desejam fazer Sua vontade e realizar a Sua obra!
Mas o melhor de tudo é que, antes mesmo de receber o Espírito Santo, Sua mente e coração já eram inspirados por Ele.
O mesmo acontece com todos os imbuídos na fé deste jejum de Daniel.
Você pensa que seu grande desejo de receber o Espírito Santo veio do nada? Não! Mil vezes, não!
Ele nasceu dentro de você por obra do próprio Espírito de Deus.
“...porque Deus é Quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo a Sua boa vontade.” Filipenses 2.13
Por conta disso, assim como os céus se abriram sobre Jesus, também os mesmos céus se abrem sobre você para receber o Mesmo Espírito de Deus.
Afinal de contas, Ele é a promessa do Senhor Jesus para os Seus seguidores.
Provavelmente você não veja uma pomba descendo sobre sua cabeça, nem sinta coisa nenhuma ou nem mesmo fale em línguas estranhas. Não importa. Nada disso é relevante.
O importante é: se há renúncia total do mundo (jejum mental), e sinceridade na busca, então há fé. E se há fé, os céus já estão abertos sobre a sua cabeça.
Além disso:
“Os olhos do SENHOR passam por toda a terra, para mostrar-Se forte para com aqueles cujo coração é totalmente dEle…” 2 Crônicas 16.9
Observação: Neste momento, procure um lugar isolado.
Em seguida, faça essa oração:
Meu Deus e meu Pai, em o Nome do Senhor Jesus Cristo, eu entro na Tua presença para buscar e receber a promessa que diz que nos últimos dias o Senhor derramaria o Teu Espírito sobre toda a carne.
João Batista ensinou que o Senhor Jesus é Quem batiza com o Espírito Santo. Então eu te suplico, meu Senhor, meu Salvador e meu Deus, batiza-me AGORA COM O TEU ESPÍRITO!
Amém.
Fonte:Blog do Bispo Edir Macedo

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

 
Forte. Extremamente forte. Especialmente, para quem realiza a Obra de Deus.
A mensagem de Jesus era dirigida aos oprimidos, conforme Isaías 61.1.
Às vezes, interrompia Seu discurso e estimulava a fé no pedi, buscai e batei - salvação do corpo. Outras tantas, focava a mensagem na salvação da alma - e o que vem a Mim, de modo nenhum o lançarei fora.
Mas em Mateus 7.13-23 Ele fortalece, pelo menos, 7 pontos:
1º- a porta estreita;
2º- a cautela sobre os falsos profetas;
3º- a árvore que dá bons frutos;
4º- a árvore que é cortada e lançada no fogo;
5º- nem todo crente entrará no Reino dos céus;
6º- o que faz a vontade de Deus;
7º- o que realiza Sua Obra.
Chama atenção Sua ênfase aos MUITOS realizadores da Obra de Deus que, naquele dia, Lhe dirão: “Senhor, Senhor! Porventura, não temos nós profetizado em Teu Nome, e em Teu Nome não expelimos demônios, e em Teu Nome não fizemos muitos milagres?”
Quem faz a vontade de Deus cuida da própria salvação; quem realiza a Obra de Deus cuida da salvação dos demais. Porém, de nada adianta ganhar o mundo inteiro, mas relaxar no seu relacionamento com Deus e perder a sua alma.
Obviamente, quem é nascido de Deus pensa como Ele e quer ganhar almas. Porém, há muitos que, supostamente, realizam a Obra de Deus. Não, por paixão pelas almas, mas por si mesmos. Paulo os chama de mercadejantes da Palavra. 2 Coríntios 2.17
Naquele Dia ouvirão: "Apartai-vos de Mim os que praticais a iniquidade."
Os verdadeiros servos renunciam suas vidas, renunciam seus sonhos e vivem para sonhar os sonhos de Deus. Não só realizam Sua Obra, mas, sobretudo, fazem Sua vontade.
 
Publicado por: Bispo Edir Macedo

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Festa de Natal: Participar ou não?



Se sentindo fora do lugar no Natal.

Nossa leitora Lu Cardoso pergunta:

Como proceder diante da Festa de Natal perante parentes incrédulos. Devo participar? Pois não gostaria.

Lu, se você não gostaria, então é seu direito não participar — seja Natal, Ano Novo, ou qualquer outra festa social. Porém se a sua questão é: "Fica mal se eu não participar? Tenho obrigação de estar lá por serem meus parentes?"

Vamos pensar sobre isso.

Para uma pessoa que pensa, celebrar o Natal é uma agressão à sua inteligência. Não é nem por questão religiosa, mas por lógica. [Para quem não entende essa posição e não assistiu à mensagem de ontem, clique aqui.]

Portanto, na prática pode ser bem difícil você participar de uma coisa que você não acredita. Por exemplo, você deve comprar presentes de Natal para alguém querido na festa? E se alguém lhe der um, vai aceitar? E quando lhe desejarem "feliz Natal", você vai desejar de volta? É complicado. No mínimo hipócrita. Meu conselho? Melhor não participar.

Por outro lado, é pecado você estar em família, cear juntos, conversar? Claro que não. Talvez essa seja a única vez no ano que sua família se reúne. Sua não participação pode causar problemas com aqueles que não vão entender sua posição. Por exemplo, como uma esposa explicará ao marido, que ama o Natal, que não vai participar com ele nem fazer nada para a festa? Problema na certa.

Nesse caso, você pode decidir participar e olhar a ocasião como um evento familiar. Procurará não participar diretamente nas atividades natalinas, mas estará ali presente em respeito e consideração à família.

Portanto, é uma questão de fé. Cada um deve agir conforme a sua fé e consciência aprovam, sem ferir a Palavra de Deus.

P.S. Não me refiro aqui àquelas "festas" onde Natal é só uma desculpa para rolar todo tipo de bebedeira, farra, e outros tipos de coisas que pessoas de bom senso não devem participar, seja qual for a data.
Fonte: bprenatocardoso.com

O número do celular de Deus




Eu prometi lhe passar o número do celular de Deus para que você pudesse dar uma ligada para Ele. Você quer iniciar um relacionamento de verdade com Ele, não quer? Então aqui vai:

1-2-3.

Estes são os números a marcar, nesta ordem:
  1. Fale com Deus como se estivesse falando com o seu melhor amigo. Sem rodeios. Sem palavras bonitas, sem rituais, sem assumir posturas. Seja sincero e aberto. Dica: Ele atende no primeiro toque quando você liga em nome do Filho d'Ele.
  2. Fale mesmo, abra a boca. Não apenas pense em algumas palavras e as guarde na sua mente. No seu quarto, sozinho, fale com Deus e diga-Lhe o que está passando na sua cabeça, no mais íntimo do seu coração.
  3. Deixe Ele falar com você também. É algo interativo. Mas não espere que Ele fale com você com uma voz audível. Fique atento à voz d’Ele lhe respondendo, comunicando com você de maneiras diferentes, e não necessariamente ao mesmo tempo que você fala com Ele, ou em seguida. Mas se estiver sintonizado, você irá ouvi-la e entendê-la. Quando Ele fala, não deixa dúvidas, mas certeza.
Agora, faça isso regularmente, e isso dará início ao relacionamento.
Fonte: bprenatocardoso.com

O que Deus visa através do Espírito (2)

 
O que Deus visa através do Espírito (2)

O Espírito Santo trabalha em conjunto com a pessoa para que haja um desenvolvimento espiritual. E, quando existe uma entrega nossa 100% a Ele, então, o Espírito passa a ter objetivos para conosco. Existem 4 ações do Espírito Santo que queremos explorar e são essas mesmas ações que Deus visa realizar através do ESPÍRITO:
2. GuiarDeus visa, através do Espírito, guiar-nos. E guiar significa que Ele quer-nos acompanhar, dirigir, justamente para nos mostrar o caminho certo, pois Ele sabe que o antigo “guia”, o diabo, nos levou a caminhos errados, o que, por sua vez, quase culminou no nosso fim. O Espírito Santo é o Guia, o Orientador nos momentos de atitudes e decisões. O Espírito é o nosso conselheiro e também ensina-nos a viver neste mundo de uma forma que não venhamos a entristecer a Deus, por isso, para que a pessoa permaneça na Presença de Deus, ela deve ser guiada pelo Espírito. Atenção, Deus visa guiar, mas, não pode obrigar ninguém a ser guiado por Ele, já que a pessoa tem vontade própria e ela tem que permiti-Lo…
“… quando vier, porém, o Espírito da verdade, ele vos guiará a toda a verdade; porque não falará por si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido e vos anunciará as coisas que hão-de vir.” (João 16.13)
1. EdificarDeus visa, através do Espírito, edificar-nos. Edificar significa construir, pois, geralmente, quando chegamos a Deus, o nosso interior foi grandemente danificado pelos traumas, complexos, deceções, enganos, vários tipos de problemas, etc. Então, o Espírito devolve-nos o desejo de viver e lutar pela nossa vida, como consequência, passamos a ter objetivos e vontade de vencer.
O que é maravilhoso é que o 1º passo do Espírito é reconstruir o nosso interior que provocará, por sua vez, frutos no exterior. Para ilustrar: – somos donos de um grande terreno, que simboliza a nossa vida. Cristo é o construtor, o dono do terreno (nós), por isso, temos que autorizar que o construtor faça esta grande obra de edificação. É exatamente assim que deve ser feito, temos que autorizar ao Espírito Santo para que Ele faça esse trabalho.
“Ora, como recebestes Cristo Jesus, o Senhor, assim andai nele, nele radicados, e edificados, e confirmados na fé, tal como fostes instruídos, crescendo em ações de graças.” (Colossenses 2.6)
Fonte: bispojulio.com

Do inferno para a vida



Bispo, não era para eu estar vivo hoje…
Desde o meu nascimento passei a sofrer com vários problemas, e o primeiro deles foi quando meu pai me abandonou, sendo que eu ainda era um recém-nascido.
Cresci com muito ódio dentro de mim e para piorar ainda mais a situação familiar, minha mãe começou a se relacionar com outro homem, que sempre me batia violentamente. Sofri muitas agressões físicas. Não tem como contar tudo em detalhes aqui, mas um dia ele chegou ao ponto de amarrar as minhas mãos em um ferro quente, até queimá-las, como castigo.
Era muita dor e tormento diário. Lembro-me da primeira vez que esse homem me agrediu dentro de nossa própria casa. Minha mãe não ouviu nada. Não me recordo se naquele momento ela estava sob efeitos das drogas ou se estava sedada com os diversos tipos de comprimidos que ela tomava todos os dias. Eu era tão pequeno e já presenciava muitos problemas.
Eu não tinha nenhum prazer em ficar em casa e muito menos próximo da minha família. Cheguei ao ponto de começar a me cortar com lâminas e até escrevi em meu braço com uma faca 'I Hate U', que significa 'Eu Odeio Você'.

Meu mundo ficou obscuro quando me envolvi com jovens do lado oposto da vida, entrei em uma gangue e me envolvi com o mundo do crime. Roubava, agredia pessoas por diversão e praticava vários delitos. Eu não tive infância.
Passei a fumar maconha aos 9 anos. E aos 14 comecei a vender drogas como cocaína, heroína e ecstasy. Estava atrás de dinheiro fácil, mas todo o dinheiro era gasto com bebidas.
Fui também agredido várias vezes por gangues rivais. Certa vez, quebraram uma garrafa de vidro nas minhas costas.
Também já fui esfaqueado profundamente e entrei em coma por duas semanas. Outra vez, fui esfaqueado no pescoço e a faca não atingiu a artéria por dois centímetros. No total, fui esfaqueado em cinco ocasiões diferentes por gangues rivais.
A minha vida era um desastre atrás do outro. Mas eu não conhecia nada além daquilo. Tudo o que vi desde criança foi violência e pensava que aquilo era o que a vida tinha para oferecer. Eu estava tão cheio de raiva e ódio que não conseguia pensar no que fazer para sair daquela vida.
O meu amigo Ryan, que também estava envolvido em gangues, me convidou para participar de uma reunião do Grupo Jovem, o Victory Youth Group. Resisti ao convite. Mas de tanto ele insistir, e também por ver que a vida dele estava totalmente diferente e positiva, decidi ir.
O pastor estava falando sobre os perigos do mundo e mencionou sobre o Carnaval. Eu estava prestando atenção, mas não pensava que aquilo era para mim. Esse meu amigo me deu uma Bíblia pequena e eu coloquei no bolso da minha jaqueta.
No outro dia, eu fui ao Carnaval com os rapazes da minha gangue. Houve uma confusão com outro grupo de gângster e acabei sendo esfaqueado no peito. Eu vi a faca entrando em minha jaqueta, mas não senti nada, naquele momento, meu corpo ficou paralisado com o choque. Comecei a apalpar o peito e não tinha sangue algum.
Foi quando percebi que a Bíblia estava no bolso do peito da minha jaqueta, a mesma que usei quando fui ao Grupo Jovem da IURD, no dia anterior. A faca parou no Salmo 27, mas era para ter perfurado o meu coração.
Naquele dia, a Palavra de Deus, realmente, me salvou. Vi que a vida não era um jogo e que eu tinha que fazer algo para mudar.

No dia seguinte, eu fui para a Igreja e o bispo chamou a frente às pessoas que gostariam de apagar o passado e começar uma vida nova, por meio do batismo nas águas. Eu me arrependi de ter gasto tantos anos da minha vida com sujeira e me batizei. Três meses se passaram, e, desde então, eu não fui mais o mesmo.
Joguei tudo pro ar. Gangues, drogas, prostituição, etc. A cada reunião que eu participo no Grupo Jovem e também na IURD, tenho mais forças para prosseguir nessa vida nova. Estou aprendendo como ser um verdadeiro homem e também a desenvolver um relacionamento com Deus.

Não é nada fácil, bispo. Hoje eu entendo porque a minha família tinha tanta raiva no coração. Sei que muita coisa na vida é espiritual, e só é resolvido espiritualmente. Oro pela mudança deles.
Agora o meu desejo é fazer a Obra de Deus. Eu quero salvar almas. Hoje eu tenho uma alegria imensa, alegria que NUNCA experimentei quando vivia na marginalidade. Hoje eu posso sorrir de verdade. Eu não gostava de falar sobre o meu passado, mas agora não vejo problema algum nisso. Uso o meu passado para ajudar os que estão vivendo da mesma forma que eu vivi, para mostrar a eles que existe uma saída.
Já consegui voltar aos meus estudos, estou usando todos os recursos possíveis para recuperar o tempo perdido, e sei que Deus tem muitas coisas reservadas para mim. Tenho apenas 16 anos de idade e um futuro brilhante pela frente. Hoje posso dizer que não estaria vivo se não fosse por Deus, pela IURD e pelo trabalho incansável do Grupo Jovem.
Deus abençoe o senhor, bispo.
Lance Scott
Londres - Inglaterra
 
FONTE: blog do Bispo Macedo

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Estratégia do diabo para os servos de Deus

Portanto, vigiai, por que não sabeis em que dia vem o vosso Senhor. Mateus 24: 42


Mais um dia nasce, enquanto você planeja o seu dia, há alguém que estuda seus passos, estuda suas fraquezas, analisa seus pontos mais fracos, talvez você não saiba, mais ele te vigiou a noite inteira, e o que ele mais desejava era que você acordasse para ele começar a colocar em pratica o seu plano.


O seu dia começa corrido, acorda atrasado(a) e mal da tempo pra tomar um café. Ele esta ali perto de você, sabe que cada segundo e valioso, sabe que num vacilo seu, ele pode ter o que anseia há anos, já que ele te perdeu para Alguém superior a ele, Alguém que sacrificou sua vida por você, e por isso ele precisa de paciência, tempo e agilidade. Não pode agir muito perto por que esse Alguém não deixa ele se aproximar de você, a um pacto, uma aliança, e isso te faz mais forte do que ele. Ele não desiste, é movido por inveja, e desejo de vingança, e por mais que queira não pode ser superior a você.

Ele tem pouco tempo para conseguir sua alma, a volta do seu Inimigo é certa e pode ser a qualquer momento, ele não pode perder tempo em colocar somente alguns probleminhas no seu caminho, ele precisa de algo que realmente vai te derrubar, uma estratégia muito boa. Não pode ser fora da igreja, pois você logo perceberia que é ele que está agindo e logo clamaria por socorro, precisa ser dentro do lugar onde você acha que ele não pode atuar. Ele acredita que assim sua queda será maior, então ele faz você sentir uma sensação de bem estar, pois ele precisa que você relaxe na sua fé, e não tem situação melhor para ele do que você achar que ele saiu do campo de batalha temporariamente.

Enquanto isso ele trabalha de outra forma, “plantando” filhos dele no meio da igreja, criando situações para que sua queda seja tão grande a ponto de você não querer voltar mais a igreja, ou então nem sair necessariamente da igreja, ele conseguindo atingir seu coração já é o suficiente, tanto dentro da igreja você já não terá mais comunhão com o Inimigo dele. Ele esta ali esperando o momento da sua fraqueza Espiritual para começar a agir. Chega o momento, você já não ora, não jejua como antes, votos com Deus você faz quando pode e não quando a fé pede, deixou de clamar pelos problemas do povo e começa achar que você está deixando seus problemas de lado que pelo tempo que tem de obra merece algo e esquece que somos abençoados pela fé.

Não se esqueça: Satanás não esta lutando contra as igrejas, mas esta se tornando membro delas. Ele causa mais dano semeando joio do que arrancando trigo.



Fonte : Blog Exército Universal

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Cristo é a Raiz, e precisamos ser enxertados Nele



No finalzinho da Bíblia, o Senhor Jesus revelou: “Eu sou a Raiz.” (Apocalipse 22.16) Ele, sem dúvida, é a Nova e Verdadeira Raiz que garante bons frutos para os seus ramos.
Ter uma boa raiz não quer dizer ter vindo de uma ótima família, tido uma educação privilegiada, e tampouco um passado de se orgulhar. Você pode não ter tido nada disso e ainda assim ter a Melhor Raiz de todas, que é o Senhor Jesus. Mas como obter essa Raiz? Você precisar ser enxertado na Verdadeira Raiz.
Na horticultura existe um processo chamado enxertia, que é a união de duas plantas. Normalmente, uma planta mais fraca é enxertada em outra mais forte, especialmente uma que tenha um bom sistema radicular (pois é a raiz da planta mais forte que fornecerá alimento para a mais fraca, e assim assimilá-la como parte da mais forte).
Da mesma forma, Deus quer lhe enxertar na planta mais forte, que é o Senhor Jesus. Uma planta enxertada não tem mais a sua antiga raiz; não habita mais o mesmo local que estava, e não retém nada de sua antiga “vida”. Ainda que sua aparência física pareça igual, ela é agora uma nova planta porque está inserida em uma nova árvore e disfruta de uma nova, excelente raiz. Aos poucos, até o seu exterior se transforma. Assim acontece com quem é enxertado no Senhor Jesus. Esse processo também é conhecido como o novo nascimento.
Não basta você cortar as raízes más de sua vida. Você precisa ter uma nova raiz, forte, confiável, que nunca lhe alimentará o que é ruim. Para isso, você precisa buscar o novo nascimento. Essa é a solução permanente para você e todos os seus problemas.

Porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo. 1 João 5.4

O novo nascimento não é uma simples oração ou confissão de fé. É um processo que começa com o reconhecimento da pessoa que está perdida, continua com a decisão de morrer para o mundo e para si, o clamor ardente para ser aceita e enxertada na Nova Raiz — e termina com o Agricultor (Espírito Santo) realizando esse processo em resposta ao desejo dessa pessoa.
Por Bispo Renato Cardoso

Missionário RR Soares fala sobre o Cair no Espírito – Movimento do Cai Cai



O Missionário R.R. Soares, respondeu uma pergunta que fizeram a ele, onde ele se posicionou contrário ao Movimento Evangélico que se tornou “modinha” no Brasil, que é o movimento do “Cair pelo Espírito”, também conhecido como Movimento do Cai Cai.
A pergunta segue abaixo:
a PAZ ESTEJA COM VOSCO IRMÃO SOARES, A MINHA PERGUNTA É A SEGUINTE: ESSAS PASAGENS BIBLICAS QUE VOU CITAR ABAIXO PROVA QUE O CAIR NO ESPIRITO SANTO TEM FUNDAMENTAÇÃO BIBLICA OU ESTOU EQUIVOCADO?? GOSTARIA DE TIRAR ESSA DUVIDA DA MINHA MENTE… QUE DEUS TE ABENÇOE ABUNDANTEMENTE!!! Daniel 10:8 Fiquei pois eu só a contemplar a grande visão, e não ficou força em mim; desfigurou-se a feição do meu rosto, e não retive força alguma. 9 Contudo, ouvi a voz das suas palavras; e, ouvindo o som das suas palavras, eu caí num profundo sono, com o rosto em terra. Ez 1.28 Como o aspecto do arco que aparece na nuvem no dia da chuva, assim era o aspecto do resplendor em redor. Este era o aspecto da semelhança da glória do Senhor; e, vendo isso, caí com o rosto em terra, e ouvi uma voz de quem falava. Ez 3.23 Então me levantei, e saí ao vale; e eis que a glória do Senhor estava ali, como a glória que vi junto ao rio Quebar; e caí com o rosto em terra. At 9.4 Mas, seguindo ele viagem e aproximando-se de Damasco, subitamente o cercou um resplendor de luz do céu; caindo por terra, ouviu uma voz que lhe dizia: Saulo, Saulo, por que me persegues? Jo 18.6 Responderam-lhe: A Jesus, o nazareno. Disse-lhes Jesus: Sou eu. E Judas, que o traía, também estava com eles. Quando Jesus lhes disse: Sou eu, recuaram, e cairam por terra. IICrônicas 5:13, 14 E aconteceu que, quando eles tocavam as trombetas, e cantavam, para fazerem ouvir uma só voz, bendizendo e louvando ao senhor; e levantando eles a voz como trombetas, címbalos, e outros instrumentos musicais, e louvando ao senhor, dizendo: porque ele é bom porque sua benignidade dura para sempre, então a casa se encheu de uma nuvem a saber a casa do senhor; E os sacerdotes não podiam permanecer em pé, para ministrar por causa da nuvem; por que a glória do senhor encheu a casa de Deus.
Abaixo, segue a resposta do Missionário RR Soares:
Resposta: Quem acompanha meu ministério já me viu responder a essa questão várias vezes. Há um enorme engano quando a pessoa usa esses textos para tentar justificar uma prática nova, uma novidade que, inclusive, já está ficando “fora de moda” (já, já inventam outra coisa). É só ler com atenção esses mesmos textos bíblicos que você citou, para constatar claramente: [1] as pessoas que “cairam” tiveram contato direto com um anjo. Ora, no “cai-cai” de hoje, ninguém vê anjo nenhum. [2] em TODOS os casos, o anjo ordenou que a pessoa prostrada se levantasse imediatamente. Nunca, o anjo permitiu que a pessoa ficasse no chão, nem mesmo para “curtir aquele momento tão edificante”, como acontece hoje. O Senhor é o Deus que levanta o caído, e só abate o orgulhoso (Lc 14.11). Agora, por que será que nenhum defensor do cai-cai cita a passagem onde o próprio Senhor Jesus em Pessoa soprou sobre os discípulos, dizendo: “Recebei o Espírito Santo” e nenhum deles caiu (Jo 20.22)? 
.Algumas pessoas são tão pobres…

…Que não tem nada além de dinheiro.

“Quem ama o dinheiro jamais dele se farta; e quem ama a abundância
nunca se farta da renda; também isto é vaidade”- Eclesiastes 5.10

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Armadilha da Música

Armadilha da músicaJoão voltou para o lugar com uma aparência péssima. Seus olhos estavam obscurecidos e profundos. Assim que eu o cumprimentei, ele desligou seu headphone e perguntei se estava tudo certo.
Ele disse que sim, que apenas estava tentando esclarecer a mente para certas questões que passava em casa. Então eu perguntei se eu poderia ouvir o que ele estava escutando e, assim que eu coloquei, imediatamente retirei.
A música era tão negativa, a letra era tão promíscua e o artista… bem, deixe-me não mencionar seu nome. Disse então que ouvindo aquele tipo de música nunca iria colocar a cabeça no lugar. Na verdade, poderia até piorar.
João tinha sido um fervoroso membro da Força Jovem e fazia parte na maioria das atividades do grupo. Entretanto havia uma coisa com ele que ainda precisava ser resolvida: sua fatal inclinação para a música que ouvia.
Música é água. Sempre que você a ouve, você na verdade está bebendo daquilo. Se a letra, batida, intenção e espírito do som não é puro e positivo, eventualmente você estará bebendo uma água negativa e impura.
A letra vai completar sua mente e coração com uma água imunda e irá refletir em seu comportamento e também nas palavras que usa ao falar. “…Porque a boca fala do que está cheio o coração” (Mateus 12:34)
Algumas pessoas não prestam atenção para a letra de alguns renomados artistas e cantores.
Judas, música de Lady Gaga:
“Oh-oh-oh-oh I’m in love with Judas I wanna love you, But something’s pulling me away from you. Jesus is my virtue, Judas is the demon I CLING to…”
“Oh-oh-oh-oh Eu estou amando Judas e eu quero amar Você, mas alguma coisa está me arrastando para longe de Você. Jesus é minha virtude, e Judas é o demônio ao qual eu me AGARRO…”
S&M, música de Rihanna:
“Feels so good being bad, there’s no way I’m turning back. Now the pain is my pleasure, ’cause nothing could measure ’Cause I may be bad, but I’m perfectly good at it. Sex in the air, I don’t care, I love the smell of it…”
“Me sinto tão bem ficando má, não há nenhuma chance de eu voltar atrás. Agora a dor é o meu prazer, porque nada poderia explicar o motivo de eu estar má, mas eu estou perfeitamente gostando disso. Sexo no ar, eu não ligo, eu amo este cheiro…”
Realmente há alguma coisa de errada com essas músicas?

Claro que sim!
Não deixe essa influência negativa colocar as raízes do mal em sua vida e fazer sua mente ficar como a deles. É tempo de se limpar. É tempo de desenraizar essas músicas perversas de sua vida. É tempo de “batizar” seu aparelho de som e colocar somente músicas de Deus em seu iPod.


*João é um nome fictício.

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

FANTASTICO!!!


Este video é um exemplo claro do que acontece com aqueles que se afastam de Deus!
Mas Deus está sempre pronto para livrar aqueles que lhe invocarem.
"Invoca-me no dia da angustia, eu te livrarei e tu me glorificará." Salmo 51-15

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Fato ocorrido em 1892


Um senhor de 70 anos viajava de trem, ao seu lado estava um jovem universitário, que lia o seu livro de ciências. O senhor, por sua vez, lia um livro de capa preta.
Foi quando o jovem percebeu que se tratava da Bíblia, e estava aberta no livro de Marcos. Sem muita cerimônia, o jovem interrompeu a leitura do velho e perguntou:
— O senhor ainda acredita neste livro cheio de fábulas e crendices?
— Sim! Mas não é um livro de crendices, é a Palavra de Deus. Estou errado?
— Claro que está! Creio que o senhor deveria estudar a História geral. Assim, veria que a Revolução Francesa, ocorrida há mais de 100 anos, mostrou a miopia da religião. Somente pessoas sem cultura ainda creem que Deus criou o mundo em seis dias. O senhor deveria conhecer um pouco mais sobre o que os cientistas dizem a respeito disso.
— É mesmo? E o que dizem os cientistas sobre a Bíblia?
— Bem, respondeu o universitário, vou descer na próxima estação, mas deixe o seu cartão que eu lhe enviarei o material pelo correio.
Então, o velho, cuidadosamente, abriu o bolso interno do paletó, e deu o cartão ao universitário. Quando o jovem leu o que estava escrito, saiu cabisbaixo, sentindo-se pior que uma ameba.
O cartão dizia:
“Louis Pasteur - Diretor do Instituto de Pesquisas Científicas da École Normale de Paris”
Saudações à família e companheiros de guerra.
Colaborou: Bispo Júlio Freitas
 

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

FOTOS ÚNICAS, MAS A ÚLTIMA NÃO TEM PREÇO.



















                                             E a minha favorita........

        Encanta-me o sentido de humor de Deus!




Que palavra, hein!?


Médico, dentista, engenheiro, advogado, professor, arquiteto, enfim, qualquer profissional é formado na faculdade.
E o que o capacita para determinada carreira? Como ele é formado?
Ele é formado mediante o recebimento científico da palavra. O médico recebe a palavra de conhecimentos médicos; o advogado recebe a palavra de conhecimentos da Lei; o engenheiro civil recebe palavra de conhecimentos da construção civil, etc.
Quer dizer: cada profissão exige ouvir e colocar em prática a palavra ensinada, de acordo com a carreira abraçada.
Quando admiramos uma bela ponte, um edifício arranha-céu, não podemos esquecer que, por trás daquela beleza arquitetônica, existem muitos profissionais que foram instruídos e formados apenas com palavras. Nada além de palavras.
Ao colocarem em prática tais palavras científicas, nasceram as maravilhas da tecnologia.
Imagine a prática da Palavra de Deus.
Imagine quando ela é aplicada ao cotidiano da vida.
Se conhecimentos humanos, por meio da palavra científica praticada, são capazes de criar cidades, aviões, navios, curar doentes e tudo o mais, imagine o que a Palavra de Deus é capaz de realizar na vida dos que nela creem e a praticam.
Pense nisso!
Um profissional liberal precisa de preparo acadêmico básico.
Mas para ser instrumento nas mãos de Deus, basta subir e ficar no Altar. O mais Ele fará...
“Em verdade, em verdade vos digo que aquele que crê em Mim fará também as obras que Eu faço e outras maiores fará, porque Eu vou para junto do Pai.” João 14.12
 
     Bispo Edir Macedo
    SUA IGREJA SE PREOCUPA COM A SAÚDE FÍSICA?
     
    Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
    Pesquisa feita com vários líderes religiosos constatou que quanto mais saudável a vida do líder religioso, em geral a comunidade que ele lidera e ministra tem a tendência de ser também mais saudável.


    Pesquisadores da Universidade de Rhode Island, nos EUA, deram uma volta pelo país e reuniram mais de 13 mil líderes religiosos, entre pastores, padres e rabinos. Mas não se tratava de nenhum congresso sobre fé ou espiritualidade, e sim de uma pesquisa sobre saúde. O objetivo: descobrir se a religião pode influenciar as pessoas a cuidar melhor do corpo.

    Cada um dos líderes religiosos respondeu a um questionário sobre os hábitos de vida dos fieis de sua região (tais como frequência de exercícios físicos, alimentação e preocupação com doenças). Em paralelo, todos os 13 mil voluntários tiveram medidos seu IMC (Índice de Massa Corporal) e outros indicadores de saúde.


    O resultado mostrou que existe, de fato, relação entre as duas coisas. Quanto mais saudável o guia religioso, em linhas gerais, mais saudável era a comunidade para quem ele ministrava a palavra. E isso está relacionado com vários fatores; desde a preocupação do templo em incentivar que a população frequente o médico até o tipo de comida servido em cerimônias e piqueniques das congregações.


    Os pesquisadores explicaram que o estudo foi focado em templos religiosos devido a um fator sociológico: mais de 40% dos americanos frequentam alguma espécie de templo, no mínimo uma vez por semana. Dessa forma, como defendem os pesquisadores, não seria de se surpreender que os indicadores tivessem relação um com o outro.


    O que faz diferença, conforme apuraram os pesquisadores, são as atividades sociais que a igreja promove. Os templos luteranos e metodistas, que forma considerados os mais saudáveis, chegam a promover atividades esportivas para os fieis. A qualidade de vida de cada religioso, em geral, foi proporcional à preocupação que os grupos religiosos dedicam à saúde.


    Fonte Exército Universal com informações Infogospel

    O PASTOR E O FAROL

    Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
    Havia uma pequena cidade do lado oeste dos Estados Unidos, às margens do Oceano Pacífico, próspera e progressiva. Não era grande, mas tinha ruas largas e limpas, parques arborizados e os bairros cresciam rapidamente.

    A areia branca da praia era como um colar entre os verdes dos morros e o azul do mar. E era ali, no mar, que estava a riqueza do povoado: a pesca.
    Cada noite, os barcos varriam as águas com suas redes, trazendo uma quantidade de peixes tão grande que muitas fábricas se instalaram por lá para industrializar e exportar o pescado.
    Na entrada da baía, havia um farol antigo que por anos prestava o valioso serviço de guiar os pescadores nas noites escuras de tempestade, iluminando-lhes o caminho no mar.
    Nesta cidade, havia também uma igreja, que era a única. O pastor lutava com todas as forças para conscientizar as pessoas do Evangelho e do Juízo de Deus. Poucos lhe davam atenção e menos ainda freqüentavam suas reuniões. Mas o homem não desanimava.
    Levantava cedo e passava um bom tempo orando sobre o altar, visitava os doentes, atendia aos que lhe procuravam e ainda se incumbia de acender o farol todos os dias pontualmente às cinco da tarde.
    A cidade crescia e os negócios aumentavam. Os barcos eram mais modernos e traziam cada vez mais peixes. O mar era mesmo abundante. Quanto mais barcos viam, mais peixes apareciam nas águas. Ninguém voltava de rede vazia. Noite clara ou escura, ao se puxar a rede, lá estava o valioso tesouro que movia a vida da cidade.
    Numa radiante manhã de sábado, o pastor, já com certa idade, morreu. Com exceção dos membros da igreja, ninguém percebeu o fato. Sem chamar qualquer atenção para si mesmo, o laborioso soldado do Evangelho partia da mesma forma que havia vivido.
    Sentindo aquela perda, os membros da igreja mandaram uma carta ao prefeito, pedindo-lhe que providenciasse outro pastor. Porém, nenhuma resposta lhes foi dada.
    O prefeito era mesmo muito ocupado. Um grande mercado de pesca estava sendo construído para atender os compradores de toda parte. Eram, na maioria, representantes das grandes fábricas da América que vinham fechar lucrativos negócios. Havia também planos para uma nova escola e ampliação do hospital. Com tantos projetos importantes, era mesmo difícil conseguir a atenção daquele homem.
    Quando tudo parecia ir bem, a pesca passou a ser escassa. As redes, que outrora vinham cheias, passaram a vir vazias. Em princípio não se deu importância ao fato, afinal os estoques estavam cheios. Mas, com o passar do tempo, o problema se agravou. Os barcos eram lançados ao mar, varrendo cada centímetro das águas, porém, sem obterem sucesso.
    O mercado ficou vazio. As fábricas fecharam e os funcionários foram demitidos. A construção da escola foi adiada, bem como a reforma do hospital. Muitos especialistas foram consultados, mas em vão. Ninguém sabia, mas o fato era que o peixe já não vinha na rede.
    Desesperados, os pescadores continuavam sua luta. Na esperança de uma mudança, saíam todas as noites para a pesca, e foi numa dessas noites que uma tempestade rapidamente se formou sem que eles notassem. Logo o mar estava revolto e o céu, coberto de nuvens, não trazia nenhuma luz. Sem visão para navegar, um dos barcos, surrado pelas ondas, foi atirado violentamente contra o farol, que, desde a morte do pastor, nunca mais fora aceso.
    Na manhã seguinte, o prefeito estava desolado em seu gabinete. Ele havia tentado de tudo o que estava ao seu alcance, sem sucesso. Pensativo e cabisbaixo, avistou sobre a mesa a carta dos membros da igreja, a qual dizia:
    “Senhor Prefeito, nós, os membros da única igreja da comunidade, informamos a Vossa Excelência o falecimento de nosso pastor. Em seu ministério, ele orava todos os dias pela nossa cidade e pedia a Deus que nunca faltasse peixe no mar.
    Preocupado com os pescadores, também acendia todas as tardes o farol para guiá-los nas noites escuras. Nunca esmoreceu. Se não tivermos outro homem de Deus que abençoe a pesca e acenda o farol, os peixes vão escassear e, numa noite escura, nossos barcos correrão o risco de naufragar, lançados pelas ondas contra algum rochedo no mar.”
    O prefeito encontrou assim a resposta que buscava. Os fatos agora eram claros e óbvios à sua frente. “Mas como nunca me dei conta deste homem e de seu trabalho?”, indagou o prefeito a si mesmo.
    A partir daí, ele entendeu que o pastor era como o farol, que não lança a luz sobre si mesmo, mas sim sobre as ondas do mar para iluminar o caminho dos homens. Aquele trabalho anônimo era mesmo de extraordinário valor.
    Assim deve ser o pastor, um farol aceso por Deus. Não ilumina a si mesmo em busca da glória do mundo, mas lança sua luz para mostrar aos homens o caminho de Deus. No seu clamor, bênçãos são alcançadas e problemas evitados.
    Muitas vezes só nos conscientizamos disto quando os perdemos e nos defrontamos com os problemas. Aí, só nos resta aprender a lição da importância do clamor de um homem de Deus. Não é isso que diz a Palavra do Senhor?
    “Busquei entre eles um homem que levantasse um muro, e se pusesse na brecha perante mim, a favor desta terra, para que Eu não a destruísse, mas a ninguém achei.”(Ezequiel 22.30)

    Fogueira Santa: Não é para qualquer um

     
    Bispo MacedoA Fogueira Santa é um ato puramente de fé. E a atitude de cada um demonstra quem creu ou não.
    Na verdade, muitos têm se apresentado. Alguns aventureiros, outros curiosos e ainda outros, como jogadores, tentando a sorte. Mas, a rigor, o sacrifício exige fé. Fé que peneira todos e seleciona alguns poucos.
    Poucos escolhidos. Melhor, poucos escolhidos por si mesmos. Por quê?
    A Fogueira Santa é um ato puramente de fé. Quem crê vai. Quem não crê fica.
    Quem crê e quem não crê? A atitude de cada um demonstra se creu ou não.
    Do meu ponto de vista, os que se escolhem são tocados pelo Espírito Santo e agem a crença. Esse toque Divino, naturalmente, se deu por conta da intenção do coração conhecido por Deus. Como se excluir quando se é tocado por Deus? Impossível.
    Os excluídos não foram tocados e por isso não agiram a fé. E não se pode julgá-los como covardes.
    Dos 32 mil homens chamados por Gideão, 10 mil desceram às águas. Eram covardes? Não. Aventureiros? Também não. Aparentemente, estavam dispostos a dar a vida pela pátria. Porém, Deus, que conhece mentes e corações, achou por bem separar apenas trezentos. O Senhor Jesus também chamou 12 apóstolos. Mas um se excluiu.
    O fato é: as promessas Divinas são para todos os povos e nações, porém nem todos creem. E é justamente aí que há a separação. O profeta Isaías pergunta: “Quem creu em nossa pregação?” Em outras palavras: Quem crê que as promessas feitas no Monte Sinai são para hoje também? Quem crê que o sacrifício da fé funciona?
    “E a QUEM FOI REVELADO o braço do Senhor?” – Isaías 53.1
    Participam da Fogueira Santa apenas os revelados. Isto é, os revelados pelo Espírito Santo. Ninguém pode ou deve convencer ninguém a participar, senão o Próprio Deus.
    Sejam todos abençoados em o Nome do Senhor Jesus!
    Bispo Macedo, para a Folha Universal

    sexta-feira, 4 de novembro de 2011

    Irmaus e irmãos



    Os primeiros filhos de Adão e Eva nasceram com talentos e índoles diferentes. Caim era lavrador e invejoso; Abel era pastor de ovelhas e desprendido.
    É provável que o bom caráter de Abel tenha suscitado o mau caráter de Caim.
    Na prática, não havia qualquer razão para o lavrador ter inveja do pastor de ovelhas. Afinal de contas, toda a terra estava à disposição de ambos. Podiam escolher, à vontade, onde desenvolver suas habilidades.
    Mas, o "santo" de Caim não combinava com o de Abel.
    É sempre assim.
    O mau caráter dos irmaus dá origem às suas más obras... Inclusive nas ofertas.
    Deus rejeitou a oferta de sacrifício de Caim, da mesma forma como rejeita a oferta de todos os de mau caráter. Mesmo que se faça passar por irmão.
    O Altar pesa o espírito do ofertante.
    O hipócrita pode enganar sinceros e puros de coração. Mas nunca o ESPÍRITO do Altar!
    O mau caráter do irmau Caim foi suportando seu irmão até o dia da apresentação do seu sacrifício. O dia D.
    Talvez quisesse provar para Abel sua espiritualidade por meio de sua "oferta de sacrifício".
    Disputar.
    Os maus sempre querem disputar com os bons quem é melhor.
    Porém, em se tratando de subir ao Altar, o Justo Juiz não deixa passar em branco.
    Caim se deu mal, porque, além de ser rejeitado, o Senhor manifestou prazer na oferta de seu irmão.
    Foi a gota d'água.
    Movido pelo espírito da inveja Caim não resistiu. Na primeira oportunidade, matou o irmão.
    Mas a morte de Abel não conseguiu calar seu clamor. Pelo contrário, da terra, seu sangue gritou mais alto e forte, conforme disse o Senhor:
    “Que fizeste? A voz do sangue de teu irmão clama da terra a Mim.” Gênesis 4.10
    Caim perdeu. Foi amaldiçoado pelo resto da vida.
    Abel ganhou. Foi justo diante de Deus, salvo e ainda fala.
    “Pela fé, Abel ofereceu a Deus mais excelente sacrifício do que Caim; pelo qual obteve testemunho de ser justo, tendo a aprovação de Deus quanto às suas ofertas. Por meio dela, também mesmo depois de morto, ainda fala.” Hebreus 11.4
    Atenção:
    Muito cuidado ao lidar com os irmaus. São mais perigosos do que os incrédulos assumidos. Como sepulcros caiados, eles esperam com paciência para tragar os sinceros e puros na fé.
    Todo o cuidado é pouco.

    Diante do Altar



    “Assentado diante do gazofilácio, Jesus observava como o povo lançava ali o dinheiro.” Marcos 12.41
    O verbo observar trata de um exame atento e mais apurado.
    Portanto, Jesus não estava sentado diante do altar como mero espectador. Seu grande interesse era saber como o povo ofertava.
    Dinheiro é papel. Seu valor nominal pode ser enorme, ainda assim, é papel. Sua importância e representação pode ser ainda maior, inclusive de bom servo. Mas não deixa de ser papel.
    A oferta também é papel. Se for ouro, é metal. Se for casa, é concreto. Se for carro, é ferro.
    O que valoriza a oferta não é o seu montante. É a fé.
    Fé de que Deus não ficará em débito com o ofertante, e, de acordo com Suas Promessas, há de recompensá-lo muito mais.
    O peso da oferta está na certeza de que Deus existe e Se torna Galardoador dos que O buscam. Hebreus 11.6
    Subitamente, entre os ofertantes, surgiu uma viúva pobre. Não era para estar ali. A Lei religiosa não permitia que uma mulher entrasse no Templo, além do Pátio das Mulheres.
    Por tal motivo, é provável que ela tenha se aproximado do gazofilácio com sentimento de culpa. Além do que, suas moedas insignificantes não atendiam à determinação sacerdotal de valor mínimo exigido na oferta.
    Some-se a isso o fato de as moedas cunhadas em Israel serem de valor muito inferior as do Império romano.
    As moedas da viúva eram judaicas.
    Portanto, a viúva tinha tudo para continuar sendo excluída, só e miserável. Era viúva, pobre, não podia estar diante do gazofilácio, sua oferta era desprezível, enfim, perante sua comunidade, nada havia nela digno de consideração.
    Mas Quem estava ali, sentado junto ao gazofilácio, para pesar o coração dos ofertantes?
    O Senhor Jesus Cristo, o Deus-Filho do Altíssimo.
    Sabe por quê?
    Ele estava ali por causa dela.
    Ele continua sentado diante dos gazofilácios…
    Ninguém O vê. Mas Ele vê a todos.
    Porém, honra somente os desprezados, injustiçados, excluídos e sofridos que vêm a Ele de todo o coração, com todas as forças e de todo entendimento.
    Chamando Seus discípulos, disse-lhes:
    “...Em verdade vos digo que esta viúva pobre depositou no gazofilácio mais do que o fizeram todos os ofertantes. Porque todos eles (os ricos) ofertaram do que lhes sobrava; ela, porém, da sua pobreza deu tudo quanto possuía, todo o seu sustento.” Marcos 12.43,44

    quinta-feira, 3 de novembro de 2011

    Como realizar o seu sonho?

     
    monte sinai Sete passos para você alcançar todos os seus objetivos.
    Você já ouviu falar sobre este assunto, conhece os versículos bíblicos que o mencionam, escutou algu­mas das promessas e está familiarizado com as per­sonagens das Sagradas Escrituras. Mas, a pergunta que persiste na sua mente é a seguinte: “Serei realmente abençoado?”; “Será que isto vai funcionar para mim?”
    Desde o primeiro dia em que entrei no Cenáculo do Espírito Santo aprendi a usar a minha fé através das correntes de oração e das campanhas de fé. Observei muitas vitórias na minha vida por meio das mesmas, assim como também as observei nas vidas de centenas de outras pessoas que também foram abençoadas. Contudo, também vi pessoas que “participaram” das mesmas campanhas de fé e fracassaram, simplesmente não receberam a bênção. Então, qual é o segredo? O que a pessoa deve fazer para ser abençoada numa campanha?
    Os seguintes passos servirão para orientá-lo (a) a este respeito:
    1. Traçar um objetivo
    Todas as campanhas ou correntes de oração devem ter um alvo, um obje­tivo. Você tem que saber o que quer conquistar através da campanha; mas, também deve saber exatamente o que deseja, especificá-lo e não apenas pedir. Quando o Senhor Jesus pergun­tou ao cego “que queres que te faça?”, o mesmo não respondeu “quero ser abençoado e ser muito feliz”. O cego respondeu “Eu quero ver!”, ou seja, você tem que definir o que deseja e nunca esquecer o seu alvo.
    2. Saber o que lhe vai custar conquistar o seu objetivo
    As bênçãos de Deus não são recebi­das como por magia. Não basta sim­plesmente escrever num pedaço de papel, dizer algumas palavras mágicas e “tcharan”, a bênção aparece diante dos seus olhos. Deus faz milagres; porém, não é um mago, pois saiba que nada do que é bom é grátis. As­sim como procuramos saber o preço de algo antes de comprarmos, para saber se temos ou não condições de pagar, da mesma forma, precisamos saber o que queremos para depois podermos fazer o que for necessário para conquistá-lo.
    3. Não dê início a nada se sabe que não irá concluir
    Um dos principais motivos porque muitas pessoas fracassam no mo­mento de serem abençoadas numa campanha é a falta de determina­ção para perseguir/perseverar até conquistarem o que desejam. Pa­rece que se a bênção/resposta não chega em poucos dias, semanas ou meses, perdem a fé e, simplesmente, desistem. Quando você entra numa campanha de fé deve estar 100% dedicado à mesma e não desistir até que conquiste o objetivo traçado.
    4. Fazer um sacrifício completo
    Sacrifício significa “perder algo de valor para conquistar algo de um valor muito superior”. Você não pode conquistar algo de grande valor se não está preparado para perder ou sacrificar algo por isto. E o sacrifí­cio deve ser completo, ou seja, não pode ser parcial. A bênção que você deseja exige um sacrifício físico. Se para conquistar o que você deseja não é necessário ter a ajuda de Deus, então, para alcançar essa conquista, o seu sacrifício físico será suficiente; mas, se para o que você deseja con­quistar necessita da ajuda de Deus, então, a sua fé terá de ser posta à prova; será necessário materializá-la. Isto significa que o sacrifício deve ser físico, espiritual e econômico. Então, agora que você já sabe, assegure-se de que o seu sacrifício seja total e completo!
    5. Creia, creia e creia
    Isto é óbvio, mas muitas pessoas “participam” de uma campanha che­ias de dúvidas e medo e, por causa disso, fracassam e não são abençoa­das ou obtêm a resposta pretendida. Elas pensam: “E o que irei fazer, se isto não funcionar?”; “Por que é que isto é tão difícil de cumprir?”; “Por que é que tenho de fazer tudo isto?”; “Por que é que tenho de sacrificar?”, etc. Fé é certeza completa, e se você está nervoso, ansioso e inseguro, então, o que você tem é dúvida e não fé! Neste caso, você não deverá participar da campanha, porque, se o fizer, acabará por ficar decepcio­nado. “… tudo o que não provém de fé é pecado.” (Romanos 14.23). Você sabe quando está com fé para participar de uma campanha, ou seja, quando Deus fala ao seu coração e lhe diz: “Vai! Estou contigo e não te desampararei!”.
    6. Não consulte A ou B
    Porque a fé é uma segurança única e individual. Quando você tem fé para participar de uma campanha, não deve perguntar se deve ou não fazê-lo, pois é a sua própria fé que o deter­minará. As demais pessoas não com­preendem isto, esteja apenas seguro de fazê-lo de acordo com o espírito da Palavra de Deus. Se começarem a surgir muitas questões na sua men­te, já não se trata de fé, mas sim de dúvida.
    7. Ação, ação e ação!
    A campanha começa para você a par­tir do momento em que Deus fala ao seu coração e prossegue através da atitude que você tomar a seguir, cumprindo o seu sacrifício e con­quistando as suas bênçãos, mesmo que seja semanas ou meses depois da campanha.
    Durante este período, você deve perseguir ativamente o que deseja sem dar a Deus, a satanás ou a si mesmo qualquer descanso até que o consiga.
    Já observei muitas vezes que seguir os passos acima mencionados trouxe à existência o que não exis­tia na vida de todas as pessoas que o fizeram. O próprio Senhor Jesus aplicou estes mesmos passos na Sua missão aqui neste mundo. Ele sabia o que queria e o que precisava fazer para conquistá-lo. Ele estava definitivamente determinado a ir até ao final. Ele realizou o sacrifício mais completo de todos e estava tão ativo que nem teve tempo de Se alimentar com frequência (Marcos 6.31). JESUS ALCANÇOU TODAS AS SUAS METAS!
    Eu creio firmemente nestes passos e sei que eles funcionam. Também creio firmemente que eles podem funcionar para você, se aplicá-los na sua vida. Você quer, realmente, uma vida completa?
    Seu servo em Cristo, bispo Júlio Freitas.

    terça-feira, 25 de outubro de 2011

    O JUMENTO


    Um jumentinho, voltando para sua casa todo contente, fala para sua mãe:
    - Fui a uma cidade e quando lá cheguei fui aplaudido, a multidão gritava alegre, estendia seus mantos pelo chão... Todos estavam contentes com minha presença.
    Sua mãe questionou se ele estava só, e o burrinho disse:
    — Não, estava levando um homem com o nome de Jesus.
    Então, sua mãe falou:
    — Filho, volte a essa cidade, mas agora sozinho.
    E o burrinho respondeu:
    — Quando eu tiver uma oportunidade, voltarei lá.
    Quando retornou a essa cidade, sozinho, todos que passaram por ele fizeram o inverso, o maltrataram, o xingaram e até mesmo bateram nele.
    Voltando para sua casa, disse para sua mãe:
    — Estou triste, pois nada aconteceu comigo. Nem palmas, nem mantos, nem honra... Só apanhei! Fui xingado e maltratado. Eles não me reconheceram, mamãe.
    Indignado, o burrinho disse a sua mãe:
    — Por que isso aconteceu comigo?
    Sua mãe respondeu:
    — Meu filho querido, você sem JESUS é só um jumento...

    quarta-feira, 19 de outubro de 2011

    A parábola da galinha vermelha


    A história da galinha vermelha que achou alguns grãos de trigo e disse a seus vizinhos:



    - Se plantarmos trigo, teremos pão para comer. Alguém quer me ajudar a plantá-lo?



    - Eu não. Disse a vaca.



    - Nem eu. Emendou o pato.



    - Eu também não. Falou o porco.



    -Eu muito menos. Completou o ganso.



    - Então eu mesma planto. Disse a galinha vermelha.



    E assim o fez. O trigo cresceu alto e amadureceu em grãos dourados.



    - Quem vai me ajudar a colher o trigo?, Quis saber a galinha.



    - Eu não. Disse o pato.



    - Não faz parte de minhas funções. Disse o porco.



    - Não depois de tantos anos de serviço. Exclamou a vaca



    - Eu me arriscaria a perder o seguro-desemprego. Disse o ganso.



    - Então eu mesma colho. Falou a galinha, e colheu o trigo ela mesma.



    Finalmente, chegou a hora de preparar o pão.



    - Quem vai me ajudar a assar o pão? Indagou a galinha vermelha.



    -Só se me pagarem hora extra. Falou a vaca.



    -Eu não posso por em risco meu auxílio-doença. Emendou o pato.



    - Eu fugi da escola e nunca aprendi a fazer pão. Disse o porco.



    -Caso só eu ajude, é discriminação. Resmungou o ganso.



    -Então eu mesma faço. Exclamou a pequena galinha vermelha.



    Ela assou cinco pães, e pôs todos numa cesta para que os vizinhos pudessem ver.



    De repente, todo mundo queria pão, e exigiu um pedaço. Mas a galinha simplesmente disse:



    -Não, eu vou comer os cinco pães sozinha.



    - Lucros excessivos!. Gritou a vaca.



    -Sanguessuga capitalista! . Exclamou o pato.



    - Eu exijo direitos iguais!. Bradou o ganso.



    O porco, esse só grunhiu.



    Eles pintaram faixas e cartazes dizendo ‘Injustiça’ e marcharam em protesto contra a galinha, gritando obscenidades. Quando um agente do governo chegou,disse à galinhazinha vermelha:



    - Você não pode ser assim egoísta.



    - Mas eu ganhei esse pão com meu próprio suor. Defendeu-se a galinha.



    -Exatamente. Disse o funcionário do governo. Essa é a beleza da livre
    empresa. Qualquer um aqui na fazenda pode ganhar o quanto quiser, mas sob nossas modernas regulamentações governamentais, os trabalhadores mais produtivos têm que dividir o produto de seu trabalho com os que não fazem nada.



    E todos viveram felizes para sempre, inclusive a pequena galinha vermelha, que sorriu e cacarejou:



    - Eu estou grata, eu estou grata.



    Mas os vizinhos sempre perguntavam por que a galinha, desde então, nunca mais fez mais nada...



    Nem mesmo um pão.



    Moral da história: Maior injustiça é a igualdade! Pois só a exigem no receber e não no dar...